php shell hacklink php shell seobizde.com bsc sniper bot pancakeswap bot pancakeswap sniper bot pancakeswap trading bot dextools trending cmc trending bot bedavabahisci.net süperbahis betboo süper bahis betboo giriş auperbahis parisbahis su arıtma cihazı gerçek jigolo sitesi rulet siteleri betbooplus betboo plus anadolu casino giriş betbooplus betbooplus betboo plus güvenilir takipçi satın al instagram takipçi satın al penis büyütme 1 saatte para kazanma inat tv binance canlı destek penis kalınlaştırma penis estetiği Penis ameliyatı penis büyütme burun estetiği baffle tavan

Pop e Sertanejo: Padre Alessandro mistura ritmos em CDs – Portal SUCESSO!

Entrevistas

Pop e Sertanejo: Padre Alessandro mistura ritmos em CDs

padre alessandro 1

Há pelo menos três anos, Padre Alessandro Campos aparece nos rankings dos artistas que mais vendem CDs e DVDs no Brasil. Em 2014, vendeu um milhão de cópias do disco O que é que eu sou sem Jesus? (Som Livre) e foi o único brasileiro a aparecer na lista dos 50 álbuns mais comercializados no mundo naquele ano, segundo a Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI). O feito se repetiu com o CD e DVD Quando Deus quer, ninguém segura, lançados no ano passado pela mesma companhia, que fecharam o exercício no topo das listas de best-sellers. Assim como Jorge & Mateus, Henrique & Juliano e Gusttavo Lima, a agenda do Padre Alessandro Campos é disputadíssima por megaeventos rurais – onde ele sempre reúne milhares de pessoas. Seu programa semanal de TV, exibido às terças-feiras à noite pela Rede Vida, alcança 3800 municípios e registra audiências recordes.

Qual é, afinal, o segredo deste jovem de 34 anos, nascido em Guaratinguetá (SP), para atrair tanto interesse do público? Um misto de talento, carisma e poder de comunicação com as massas. “Sou padre, acima de tudo. Não sou artista ou popstar, como alguns apregoam. Sou um artista de Jesus. Uso a música para evangelizar. Então, o palco vira meu altar. No show, é como se eu estivesse numa missa”, resume ele, citando um ensinamento do então Papa João Paulo II sobre o qual os religiosos devem sair da sacristia e ir em busca de novas ovelhas. “Ele disse que a Igreja precisa de santos sem véus, de santos de calças jeans e tênis. Precisa de santos que vão ao cinema, ao teatro e que comam pizza com os amigos. Que estejam no mundo mas que não sejam mundanos”.

Padre Alessandro vai literalmente onde o povo está. Podia ser roqueiro, cantar MPB ou música erudita. Mas escolheu o sertanejo. “Venho de família mineira, interiorana, cresci escutando música sertaneja. Então, me apaixonei pelo gênero desde cedo”, diz ele. “Quando criança, já seguro do que eu queria para minha vida, fui a um show de Zezé & Luciano, que tinham acabado de estourar É o amor. O local estava lotado, o público vibrava. Pensei: imagina se um dia eu, como padre, pudesse subir num palco e juntar uma multidão dessas cantando para Jesus Cristo? Hoje, faço isso quatro, cinco dias por semana, e me sinto privilegiado e abençoado”, afirma o religioso, que toca violão, canta e compõe. Aliás, Alessandro é um dos autores de O que é que eu sou sem Jesus?, seu principal hit. “Esta é mais que uma canção, é uma oração. Porque quando você diz que é nada sem Ele, está querendo dizer: com Jesus eu sou tudo. A Bíblia ensina: tudo posso naquele que me fortalece. Meu maior desejo era que o Brasil cantasse esse hino. Felizmente consegui realizá-lo.”

PRODUÇÃO CAPRICHADA

Nos shows, Alessandro Campos conta com banda de apoio e produção caprichada. O repertório, além de seu maior hit, traz outros hinos religiosos como Alô meu Deus, Padroeira de sertanejo e Um certo Galileu – e clássicos sertanejos como Chico Mineiro, Meu velho pai, Ipê florido, Estrada da vida e Rédeas do possante. Entre um bloco e outro de canções, o “padre sertanejo” passa aos presentes mensagens de fé, através de frases e orações (O Senhor esteja convosco, Pedis e recebereis e Palavra de Jesus etc).

Ao contrário de alguns padres-cantores que só fazem shows em suas paróquias, Alessandro Campos tem a carreira artística conduzida de forma profissional, pela Talishows Produções (de Valter Viúdes). Mas ele explica o que faz com os direitos sobre os CDs/DVDs e o cachê das apresentações: “Primeiro, há pessoas que pensam que sou milionário porque vendi, por exemplo, um milhão de cópias. A pessoa multiplica o valor do DVD (R$ 20 reais) por um milhão e logo diz: ‘o padre ficou milionário’. Mas o leigo não sabe que o intérprete fica apenas com uma pequena porcentagem da venda de cada produto. No caso dos shows, é a mesma coisa. Tenho um escritório, músicos, equipe e produção para pagar. Com o que sobra, ajudo minha diocese. Estou construindo uma igreja em Mogi das Cruzes (SP), onde rezo missa toda semana. Há 15 anos mantenho três creches e repasso parte do que ganho para essas instituições”, afirma ele. “Eu não conto as moedas, mas sim as almas que trago para Jesus Cristo”.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo