php shell hacklink php shell seobizde.com bsc sniper bot pancakeswap bot pancakeswap sniper bot pancakeswap trading bot dextools trending cmc trending bot bedavabahisci.net süperbahis betboo süper bahis betboo giriş auperbahis parisbahis su arıtma cihazı gerçek jigolo sitesi rulet siteleri betbooplus betboo plus anadolu casino giriş betbooplus betbooplus betboo plus güvenilir takipçi satın al instagram takipçi satın al penis büyütme 1 saatte para kazanma inat tv binance canlı destek penis kalınlaştırma penis estetiği Penis ameliyatı penis büyütme burun estetiği baffle tavan

Publicado relatório sobre a indústria independente – Portal SUCESSO!

Destaque

Publicado relatório sobre a indústria independente

win2

A WIN (Worldwide Independent Network), que reúne as associações independentes da indústria musical em nível internacional, acaba de divulgar um novo relatório mapeando o mercado global indie em relação à propriedade de fonogramas. Intitulado WINTEL 2018, o documento, desenvolvido pela MIDiA Research e editado pela Music Ally (Reino Unido), traz resultados colhidos em 33 países e representa a mais abrangente pesquisa global do setor de gravadoras independentes feita até hoje.

O estudo mostra que este mercado em 2017 representou 39,9% do volume de música gravada no mundo. As receitas globais também cresceram –  de US$ 6.2 bilhões em 2016 para US$ 6.9 bilhões, ou 10,9% em percentuais.  É importante ressaltar que o setor independente teve uma performance superior à do mercado de música como um todo, que cresceu 10,2% no último ano.

O rápido crescimento dos chamados mercados emergentes – com a China apresentando elevação de 36% em faturamento geral, Ásia e Austrália, 5,4%, e América Latina, um aumento de quase 50% somente nas receitas de streaming no ano que passou – faz com que a indústria observe com muita expectativa a performance de 2018 (os resultados oficiais só sairão em pelo menos quatro meses) e dos próximos anos .

Importante enfatizar que este relatório utiliza critérios baseados em detenção de direitos, e não em vendas feitas pelos canais de distribuição. “Esta é uma distinção crucial, pois, tendo em vista que as companhias independentes usam as grandes gravadoras (ou empresas de propriedade das grandes gravadoras) para distribuir sua música, estas grandes gravadoras incluem o valor da receita derivada da distribuição dos direitos dos independentes na mensuração do seu próprio mercado”, informa o comunicado enviado à imprensa.

“A análise do WINTEL à luz da detenção dos direitos, portanto, promove uma visão mais exata do mercado”, afirma o comunicado da WIN. “Isto também é relevante porque o tamanho do mercado é usado pelas empresas líderes de música digital, como Apple, Google e Spotify, em negociações com o setor independente, eventualmente determinando o nível de remuneração pago por estas empresas aos detentores dos direitos musicais”, continua.

Ao final de 2017, os serviços de streaming de música atingiram 176 milhões de assinantes globalmente, comparados a 64 milhões em 2016. Este crescimento incrementou a receita das companhias independentes em 46% em 2017, atingindo US$ 3,1 bilhões. “É extremamente provável que o streaming passe a representar mais de 50% da receita das companhias de música independente num futuro muito próximo, enquanto as vendas físicas continuarão a cair”, avalia o relatório.

Uma razão provável para este crescimento contínuo é o fato de os selos independentes terem se ajustado e se preparado para tirar proveito do ambiente de streaming, com 47% dos participantes da pesquisa respondendo que isto melhorou significativamente seu fluxo de caixa – um número que se eleva a 73% para selos nos quais o streaming já representa mais de 30% de sua receita.

Também é válido refletir sobre o que define “independente” em 2018. O termo está certamente evoluindo na indústria da música, e, além de selos, o termo agora inclui os chamados artistas “autoprodutores”, que estão lançando por conta própria sua música através dos distribuidores do mercado. “O WINTEL 2018 revela que a renda dos artistas que se ‘auto-lançam’ cresceu de U$ 94 milhões em 2016 para US$ 101 milhões em 2017. Como estes artistas constroem times ao seu redor para exercer funções típicas de selos, este setor da comunidade da música independente tende a crescer significativamente”, destaca o comunicado.

Alison Wenham, CEO da WIN, afirma: “Há inúmeras informações interessantes a extrair desta pesquisa, mas uma coisa que realmente me chamou a atenção foi o fato de 76% dos artistas escolherem renovar seus contratos com seus selos, o que demonstra que os independentes estão estreitando fortes laços com os artistas que representam”.

Por sua vez, Carlos Mills, da ABMI – Associação Brasileira da Música Independente, comenta sobre o WINTEL 2018: “Este terceiro relatório da WIN é uma demonstração de força do setor da música independente global. Uma indústria sem números é uma indústria desempoderada. Diante desta realidade e do crescimento consistente das plataformas digitais, uma de nossas prioridades para 2019 na ABMI será elaborar um estudo ainda mais aprofundado da produção musical brasileira e do perfil do produtor independente local”.

carlos mils2

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo