php shell php shell hacklink php shell seobizde.com bsc sniper bot pancakeswap bot pancakeswap sniper bot pancakeswap trading bot dextools trending cmc trending bot süperbahis betboo süper bahis betboo giriş auperbahis parisbahis su arıtma cihazı https://www.xxx.xxx rulet siteleri betbooplus betboo plus anadolu casino giriş betbooplus betbooplus betboo plus penis büyütme 1 saatte para kazanma inat tv patent penis kalınlaştırma penis estetiği Penis ameliyatı penis büyütme burun estetiği baffle tavan

A Cor Do Som faz show comemorativo no Rio – Portal SUCESSO!

Destaque

A Cor Do Som faz show comemorativo no Rio

a cor1

O Teatro Rival Petrobras, no centro do Rio de Janeiro, recebe nesta quinta-feira, 5 (às 19h30), um show especial. O grupo A Cor do Som, que marcou época no final dos anos 1970 e anos 1980, com inúmeros sucessos, acaba de completar 40 anos de carreira e, para celebrar, apresenta o show relativo ao álbum “A Cor do Som – 40 anos”, que chega agora ao mercado no formato físico. O grupo – que mantém a formação original com Armandinho (guitarra e voz), Dadi (baixo e voz), Mú Carvalho (teclados e voz), Gustavo Schroeter (bateria) e Ary Dias (percussão) – vai contar na apresentação com participações dos músicos Luiz Lopes (guitarra e vocal) e Pedro Dias (baixo e vocal), da banda Filhos da Judith.

No show de lançamento do CD, o grupo apresentará novas canções como “Alvo Certo”, de André Carvalho e Dadi Carvalho, e “Somos da Cor”, de Armandinho e Maria Vasco, além de releituras de seus maiores sucessos, como “Abri a Porta”, de Gilberto Gil e Dominguinhos; “Alto Astral”, de Mú Carvalho, Dadi e Evandro Mesquita; “Zanzibar”, de Armandinho e Fausto Nilo; e “Swingue Menina”, de Mú Carvalho e Morais Moreira.

O novo disco conta com convidados ilustres: Gilberto Gil (voz e violão em “Abri a Porta”), Roupa Nova (em “Alto Astral”), Samuel Rosa (voz em “Zanzibar”), Lulu Santos (voz em “Swingue Menina”), Djavan (voz em “Alvo Certo”), Paulinho Moska (violão e voz em “Magia Tropical”), Flávio Venturini (órgão e voz em “Eternos Meninos”) e Natiruts (em “Semente do Amor”).

Com sua inusitada e orgânica fusão de pop, choro, trio elétrico e progressivo, A Cor do Som foi a grande surpresa da música brasileira no fim dos anos 1970, antecipando o rock que iria imperar na década seguinte. O grupo começou a nascer no primeiro álbum solo de Moraes Moreira, em 1975, recém-saído dos Novos Baianos. Estavam nessas gravações  Dadi (o jovem baixista carioca que tinha entrado para a comunidade musical dos Novos Baianos e também tocava com Jorge Ben), Armandinho (o mestre da guitarra baiana e do bandolim, filho do Osmar, um dos inventores do trio elétrico) e Gustavo (outro carioca, baterista que veio do grupo A Bolha e também músico de Jorge Ben), com  Mú (pianista e tecladista, irmão caçula de Dadi) estreando profissionalmente em uma faixa – e, logo em seguida, incorporado à banda nos shows. Já Ary Dias (percussionista baiano que veio de Banda do Companheiro Mágico), tocou no disco de estreia d’A Cor, mas só entrou oficialmente, completando a formação clássica, a partir do segundo álbum.

Após dois discos instrumentais de grande repercussão junto à crítica, “A Cor do Som” (1977) e “Ao vivo” (registro do show no Festival de Jazz de Montreux , em julho de 1978), as portas se abriram de vez para o grupo quando Armandinho, Dadi e Mú também assumiram os microfones. Parcerias deles com Moraes Moreira e Fausto Nilo ou composições feitas especialmente para A Cor por Caetano e Gil garantiram as altas execuções nas emissoras de rádio e TV e os shows lotados por todo o Brasil.

Assista o grupo A Cor do Som cantando o hit “Beleza Pura”:

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo